Quarta-feira, 6 de Junho de 2007

Irrita-me solenemente quando, num estabelecimento comercial, me atendem como se fizessem um grande favor. Felizmente não são a regra, mas que os há, há.
Aquele tipo de comportamento do proprietário e/ou colaborador "aqui dentro de casa quem manda sou eu e espera se quiseres" é intolerável; pior ainda quando se tem aberto ao público um café misto loja gourmet muito chic e, onde se espera, pelo menos, um atendimento compatível e justificado pelos preços praticados, por exemplo. Se bem que, quem tem de lidar com o público, por opção ou obrigação, a simpatia e profissionalismo podem e devem ser independentes dos preços/produtos apresentados. Claro que existem também aqueles que optam por "olhe, sei lá. Abri um café gourmet para me entreter."

É capaz de ser o caso de um desses estabelecimentos montados em Azeitão, onde raramente vou precisamente pela nula empatia que nutro por quem está à frente da casa, claramente uma "tiazinha" que não nasceu para atender os seus clientes.
Ontem, calhei a entrar de novo e vi logo que o atendimento não iria ser rápido, isto porque, a tal "tiazinha" se encontrava ao telemóvel a dar instruções a alguém que não conseguia encontrar determinada rua em Setúbal; sem nunca largar a comunicação móvel, perguntou em sussuro: "Café?" "Não. Um sumo de pêra sff", disse-lhe. Sai o sumo, empatado antes de chegar ao balcão, por mais uma explicação geográfica a quem estava do outro lado da linha. "O sumo se não se importa" sussurei eu também. Garrafita colocada em cima do balcão. Faltava o apêndice: o copo. "Um copo sff" disse-lhe. "Que maçada!" a "tiazinha" sussurou entre dentes enquanto com estrondo colocava -ou atirava- o copo para o topo do balcão sem arredar o telemóvel da orelha; tanto assim é que esse mesmo estrondo-de-maçadora-má-vontade foi notado por par de clientes que entretanto tinha entrado. Um olhar meu fulminante para ela deverá ter resvalado na couraça da sua incompetência.

De resto, o tom autoritário da escrita do papelito colocado na vidraça da esplanada, logo à entrada e para que os seus clientes não se percam em divagações fúteis, é exemplar: o "não há" [serviço] e o "pague" [no acto] em bold e sublinhado, revelam bem a primária preocupação de quem gere o negócio. Tudo o resto é acessório.
Dispensável, será também o estabelecimento.




publicado por LMB às 10:10 | link do post | comentar | favorito

1 comentário:
De Luis Maia a 6 de Junho de 2007 às 17:37
Ora aí está uma das razões, porque ás vezes se baixa de divisão , (quer dizer fechar a porta), falta de respeito pelo cliente, que só serve para pagar.
Um dia se jogar xadrez, leva xeque mate à pastor em 3 lances.


Comentar post

mais sobre mim
Março 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
13

15
16

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Books Invoicing

a propósito: o universo c...

limpar portugal

lx: debaixo dos pés

é a vida

pangea ultima

PECa

memória: peggy lee

iSilly

'like angels'

arquivos

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Setembro 2004

Abril 2004

tags

37/2007

500 miles

7 maravilhas

abril

agostinho da silva

água

alentejo

algarve

allsopp

amazon

american

amero

amigos

anatomia

anos 60

apollo

apollonius

apple

apple. mac

applestore

apr

arrábida

arrabida

art building

arte

artsoft

astarte

atlântida

att

auschwitz

auto

azeitão

bacalhau

bairro alto

banco

bento

berenice abbott

biblia

bic

bijagós

bizplan

boi

casa portuguesa

computing

cosmos

creiro

cromos

cupertino

dakar

design

dias da radio

do fundo do baú

erp

europa

fiat

fred astaire

gene kelly

gourmet

hansaworld

história

ido mas não esquecido

igreja

iphone

ipod

jazz

lisboa

mac

mac os x

macworld

mafra

marketing

marte

memoria

merchandising

microsoft

mirror world

modelo

motor

mundo

natal

new york

nova iorque

outono

pavarotti

porto

portugal

renovaveis

rodrigo leão

rtp

russia

service

setubal

sic

star tracking

tejo

titanic

trizle

universo

verão

vida

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds