Quinta-feira, 29 de Maio de 2008

Talvez Quintus Sertorius tenha passado por aqui e estacionado a quadriga onde eu também estaciono hoje o carro, talvez tenha mergulhado nas límpidas águas do rio Coina e talvez por essas águas serem boas, tenha havido a ideia de designar o local como Equabona. Mais tarde derivou para Coina e assim se mantem.
O rio, esse, continua a nascer na serra da Arrábida, cruza com a ribeira do mesmo nome e acaba fétido de esgoto no abraço com o Tejo.
Coina tem a sua história ligada a Azeitão até porque não são assim tão distantes e em 1516, quando recebeu foral da mão de D. Manuel I, o rio era navegável e assim se manteve por quase três séculos. Estaleiros de caravelas e naus e a real fábrica de vidro eram as start-up da altura. Pelo rio, vinha também Constança -a legítima de D.Pedro e que traria a outra paixão a bordo: Inês de Castro- apanhar os ares frescos da serra na sua quinta de verão em Azeitão. Rima e é verdade.

De volta aos dias de hoje, Coina, é uma dor d'alma: descaracterizada, arruinada e mal arrumada. De resto, como Azeitão se está a tornar também desde há uma década.
De facto, terá existido um castelo em Coina -ou nas imediações- totalmente destruído, séculos atrás, nunca foi reconstruído. Mas o outro 'castelo' que bem podia ser o ex-libris de Coina se conservado, é na realidade uma casa apalaçada inacabada, que quase liga, em estilo, ao logotipo das águas Pizões-Moura, embora nada exista de relação comercial ou outra.

É na propriedade rural de Joaquim de Pina Manique (sim, irmão do outro: o Intendente), que em 1910 Manuel Martins Gomes Júnior, ateu, republicano, político, homem de negócios, talvez maçon e também conhecido como 'rei do lixo' e não necessariamente por esta ordem, resolve construir um palácio. Nunca o acabou. Projecto insólito e vanguardista para a época talvez se destinasse a residência permanente, outros, dizem que talvez fosse a nova sede de sociedade maçonica já que a planta indiciava esse traço e o interior algo labiríntico. Até aos anos 40, mal ou bem, lá se foi aguentando a Quinta de S.Vicente ou do Manique. A partir daí começa o declínio até ir parar a outro 'rei' dos anos 70: o da construção civil, A.Xavier de Lima.
Parece que por lá continua.
Continua também a degradação do edifício, e todo um conjunto habitacional e industrial, aparentemente já fora da propriedade, com um enquadramento único bem perto do rio.
Não sei se esperam a derrocada final, se esperam a aprovação para um qualquer condomínio privado de nome reluzente tipo 'Coutadas de Coina' (inventei agora; nada de preocupações, Xavier) a exemplo do que já está em marcha, com o subsquente abate de uma extensa área de pinheiros, junto a Azeitão, para construção de um edifício da Misericórdia, que, por certo, e à boa maneira portuga da construção civil, fará a 'limpeza' integral do terreno, abatendo árvores de grande porte que poderiam certamente coexistir, para depois plantarem uma dúzia de 'fast-growing' que, por norma, na zona, secam ao fim de dois anos.
Fizeste bem, Sertorius, em viver nessa época: estas construções não ficam para a história.



publicado por LMB às 23:43 | link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Março 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
13

15
16

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Books Invoicing

a propósito: o universo c...

limpar portugal

lx: debaixo dos pés

é a vida

pangea ultima

PECa

memória: peggy lee

iSilly

'like angels'

arquivos

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Setembro 2004

Abril 2004

tags

37/2007

500 miles

7 maravilhas

abril

agostinho da silva

água

alentejo

algarve

allsopp

amazon

american

amero

amigos

anatomia

anos 60

apollo

apollonius

apple

apple. mac

applestore

apr

arrábida

arrabida

art building

arte

artsoft

astarte

atlântida

att

auschwitz

auto

azeitão

bacalhau

bairro alto

banco

bento

berenice abbott

biblia

bic

bijagós

bizplan

boi

casa portuguesa

computing

cosmos

creiro

cromos

cupertino

dakar

design

dias da radio

do fundo do baú

erp

europa

fiat

fred astaire

gene kelly

gourmet

hansaworld

história

ido mas não esquecido

igreja

iphone

ipod

jazz

lisboa

mac

mac os x

macworld

mafra

marketing

marte

memoria

merchandising

microsoft

mirror world

modelo

motor

mundo

natal

new york

nova iorque

outono

pavarotti

porto

portugal

renovaveis

rodrigo leão

rtp

russia

service

setubal

sic

star tracking

tejo

titanic

trizle

universo

verão

vida

todas as tags

gestão para Mac
Image and video hosting by TinyPic
blogs SAPO
subscrever feeds