Segunda-feira, 18 de Janeiro de 2010

A quantidade de locais ditos 'assombrados' neste quintal lusitano é obra. Literalmente.
Normalmente estes assombros instalam-se em obra feita: casas, casarões, palácios e palacetes. Uma das mais conhecidas, é a celébre ruína (não tem outro nome actualmente) de um antigo dancing-casa de chá-restaurante às vezes, ali no terminar da Marginal de Cascais (para quem vem de lá) e enfiadura dos acessos às auto-estradas, mais concretamente no lugar da Quinta da Boa Viagem. Diz-se que n-a-d-a por lá vinga. Deverá ser verdade porque há décadas que está imutável, mas cuidai-vos porque o 'exorcista Isaltino' está atento.
Nesse eixo da Marginal outras existem, como de resto, dá conta um artigo publicado há uns meses no 'Expresso'. Mas bem mais afastado fica o enorme e desactivado edifício do Sanatório dos Caminhos de Ferro, junto às Penhas da Saúde, num local de nome atractivo: Porta dos Hermínios.
Tão actrativo quanto o preço simbólico pelo qual foi vendido, nos finais dos anos '90, pela Turistrela à antiga Enatur: 1$00. Com contra-partidas, claro.
O que nasce torto, tarde ou nunca se endireita, diz a voz do povo. O enorme e bonito edifício projectado por Cottinelli Telmo nos anos 20 a pedido dos Caminhos de Ferro para ali tratar dos seus funcionários afectados pela tuberculose, levou quase uma década a construir e mesmo depois de pronto, outro tanto para abrir portas. Portas essas que haviam de dividir as classes sociais do tipo A1/B e C pequenino. Em 1969, o último a fechar a porta apagou a luz.
Voltaram a tocar o interruptor com as gentes que chegavam da descolonização africana e em meados de '80 ficou de novo ao abandono.
Num Sanatório, nem todas as estórias são boas e as que não são, servem para alimentar o imaginário da assombração.
Na verdade, basta estar-se influenciado pela própria ambiência do local, algo sinistro, na altura que por lá passei de raspão: um fim de ano, precisamente no final dos anos oitenta. Tarde escura de invernia e trovoada q.b. Recordo-me bem, justamente por não ter gostado. E também porque o carro não voltou a pegar. E também porque foi uma carga de trabalhos conseguir uma boleia para a Covilhã e outra aventura para arranjar um reboque. O mecânico, qual cirurgião em dia de urgência, fez o mesmo que eu faço: abre o capot, hummm, fecha e espera que avaria passe. Não passou. Alça o bólide para cima da garupa do camionete e aí vamos nós de volta ao burgo, no meio da tormenta que caía desabrida. Para que não fique encavalitado, decide ele retirá-lo do seis rodas 'Onde são as luzes? 'pergunta-me. 'segundo botão à esquerda, mas só ligam com a chave'- digo-lhe. Milagre: ele ronca.
Caprichos mecânicos, obviamente. Mas por via das dúvidas, quando me dizem que está projectada uma pousada para aquele local, não sei porquê, não quero nem ouvir falar.


publicado por LMB às 22:29 | link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
Março 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
13

15
16

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Books Invoicing

a propósito: o universo c...

limpar portugal

lx: debaixo dos pés

é a vida

pangea ultima

PECa

memória: peggy lee

iSilly

'like angels'

arquivos

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Setembro 2004

Abril 2004

tags

37/2007

500 miles

7 maravilhas

abril

agostinho da silva

água

alentejo

algarve

allsopp

amazon

american

amero

amigos

anatomia

anos 60

apollo

apollonius

apple

apple. mac

applestore

apr

arrábida

arrabida

art building

arte

artsoft

astarte

atlântida

att

auschwitz

auto

azeitão

bacalhau

bairro alto

banco

bento

berenice abbott

biblia

bic

bijagós

bizplan

boi

casa portuguesa

computing

cosmos

creiro

cromos

cupertino

dakar

design

dias da radio

do fundo do baú

erp

europa

fiat

fred astaire

gene kelly

gourmet

hansaworld

história

ido mas não esquecido

igreja

iphone

ipod

jazz

lisboa

mac

mac os x

macworld

mafra

marketing

marte

memoria

merchandising

microsoft

mirror world

modelo

motor

mundo

natal

new york

nova iorque

outono

pavarotti

porto

portugal

renovaveis

rodrigo leão

rtp

russia

service

setubal

sic

star tracking

tejo

titanic

trizle

universo

verão

vida

todas as tags

gestão para Mac
Image and video hosting by TinyPic
blogs SAPO
subscrever feeds