Sábado, 9 de Fevereiro de 2008

Agora que ando a aprender sueco por linhas tortas, deixa cá partilhar mais uma história marítima azarada: o sueco galeão de guerra Vasa.
'Vasa' daqui para a história:
O rei Gustav Adolf da Suécia tinha um sonho: construir uma flutuante máquina de guerra infernal que lhe garantisse poderio e tranquilidade nos mares nórdicos. Do sonho à realidade foi quase -quase- um rabisco de real decreto.
Não só rabisco mas igualmente esquisso do navio, já que ele, rei, se encarregou de orientar os planos de construção, considerado portanto, uma mais-valia. Mais valia estar quieto como mais tarde se iria constatar.

Cento e sessenta mil metros quadrados de flloresta abatidos, deram origem a 1.400 toneladas de embarcação, com alojamento para 133 tripulantes e ainda para um exército de trezentos homens armados. 64 canhões de bronze em três 'decks' e uma gigantesca vela que que se erguia a 57 metros de altura. Mestres de carpintaria e escultura produziam peças decorativas e entalhes de surpreendente beleza. Algo nunca visto nos mares em pleno século XVII.
Gustav andava feliz. O dia 10 de Agosto de 1628 aproximava-se e, com esse dia, o lançamento oficial do navio às águas frias do Báltico.
E assim foi: às 4h da tarde, o Vasa deslizou suavemente para a água. O troar dos canhões davam salvas pelo feito alcançado.
Subitamente, produziu-se um fenómeno que o melhor meteorologista não poderia prever: uma fortíssima rajada de vento varre a baía e força o navio a adornar a bombordo. Antes que a houvesse tempo para a tripulação recolher os canhões e redestribuir peso, a água entrou nas nas canhoneiras quadradas ainda abertas do convés inferior. Em minutos, o Vasa deixava de pertencer ao imobilizado da coroa.
Poucos sobreviveram. Gustav estava atónito e ainda para mais sem poder culpar alguém, até porque o arquitecto da obra era ele mesmo e deveria parecer mal assumir alguma coisa.

Quem diria que quase trezentos anos depois, um molusco de apenas 30cm de comprimento com o nome esquisito de Teredo Navalis, autêntico devorador de madeira, seria o responsável por trazer de novo à luz do dia, e a seco, o azarado Vasa.
Quem o topou -ao molusco- foi um jovem engenheiro naval e arqueologista amador de nome Anders Franzen, que no fim da década de 1930 fazia um cruzeiro pela costa ocidental da Suécia e deparou com destroços de madeira crivados do tal Teredo Navalis, um fenómeno que o intrigou porque a salinidade do Báltico não é suficiente para o desenvolvimento desse organismo vivo. Pensou então que, o velho Vasa, poderia não estar atacado por este 'caruncho aquático' e a madeira de carvalho negro estar ainda com apresentação sofrível.
Quatro anos demorou esta teimosia de Franzen, até que ela produziu resultados: a 33 metros de profundidade e enterrado em cinco metros de lodo, ele aí estava.
A operação de resgate foi complicadíssima e prolongou-se por dois anos. Mas o Vasa voltou à doca seca, 500 toneladas de água evaparada depois, num impressionante estado de conservação, não só dele próprio, como de artefactos, roupagem, moedas, arcas e tudo o mais que fazia parte de uma embaracação e marinhagem da época.
A partir do crâneo e esqueleto do homem do leme, foi possível reconstituir a sua feição; é a foto de início neste post.
Vasa tem agora, em Estocolmo, o único museu do mundo exclusivamente dedicado, de igual modo, a um único navio. Azarado é certo, mas, mesmo assim, teria sido uma super fortaleza dos mares.
Gustav: o que conta é a intenção.


Créditos: imagem Vasa Ship Museum


tags:

publicado por LMB às 11:23 | link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Março 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
13

15
16

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Books Invoicing

a propósito: o universo c...

limpar portugal

lx: debaixo dos pés

é a vida

pangea ultima

PECa

memória: peggy lee

iSilly

'like angels'

arquivos

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Setembro 2004

Abril 2004

tags

37/2007

500 miles

7 maravilhas

abril

agostinho da silva

água

alentejo

algarve

allsopp

amazon

american

amero

amigos

anatomia

anos 60

apollo

apollonius

apple

apple. mac

applestore

apr

arrábida

arrabida

art building

arte

artsoft

astarte

atlântida

att

auschwitz

auto

azeitão

bacalhau

bairro alto

banco

bento

berenice abbott

biblia

bic

bijagós

bizplan

boi

casa portuguesa

computing

cosmos

creiro

cromos

cupertino

dakar

design

dias da radio

do fundo do baú

erp

europa

fiat

fred astaire

gene kelly

gourmet

hansaworld

história

ido mas não esquecido

igreja

iphone

ipod

jazz

lisboa

mac

mac os x

macworld

mafra

marketing

marte

memoria

merchandising

microsoft

mirror world

modelo

motor

mundo

natal

new york

nova iorque

outono

pavarotti

porto

portugal

renovaveis

rodrigo leão

rtp

russia

service

setubal

sic

star tracking

tejo

titanic

trizle

universo

verão

vida

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds