Quarta-feira, 28 de Outubro de 2009
O meu 'processo de internacionalização' começou cedo: tive uma companhia austríaca durante algum tempo; ela acabou por passar grande parte do Verão de '79 neste país, repetente do ano anterior, mas dessa nova vez, acabámos por fazer uma volta alargada a este luso quintal pelo centro e norte, já que o sul tinha ficado explorado um ano antes. O comboio foi escolha óbvia para altura, de avião só mesmo entre Viena e Lisboa.
R. gostava de acompanhar quase todas as refeições -já lá chegamos- com café com leite. Uma ocasião, numa cervejaria na Figueira da Foz, fez-me passar por um momento nada convencional ao pedir um galão escuro para acompanhar uns camarões. 'a senhora vai mesmo querer um galão?' -perguntava-me o empregado de mesa incrédulo 'isso até é capaz de lhe cair mal' insistia ele, agora directamente para ela num 'portunhol' clássico, acabando eu por traduzir mas sem a demover. Não foi um, mas acabaram por ser dois. Mesas ao lado corroboraram a opinião do empregado 'olhe que isso vai fazer-lhe mal'. Pois sim, abelha. Mas não fez.
Multibanco na época era coisa que não existia, por isso, viajava-se com dinheiro vivo e uns travelers cheques (dela) para uma troca onde fosse possível, por outro lado, havia nos CTT uma espécie de 'banco postal' onde com uma caderneta se podia levantar dinheiro, previamente depositado: levantava-se 500 ou 1.000 Escudos (ou muito menos), o levantamento era anotado à mão idem o novo saldo e um carimbo dos CTT fazia fé do acto.
Na altura isto era recorrente para mim, porque em muitas zonas não havia agência bancária do BESCL (hoje apenas BES) mas Correios havia quase sempre, portanto era uma alternativa segura dentro do horário da estações e de segunda a sexta feira, claro está. Fim de semana tinha, portanto, de ser resguardado com tempo.
Se tudo correu bem no 'tour' pelo litoral, a coisa complicou-se quando nos embrenhámos pelo interior: apanhados sem o saber num turbilhão de greves que envolvia a banca, correios e transportes (e não me recordo se mais algum sector) fez-nos estacionar no Fundão no parque de campismo local, por muito mais tempo que inicialmente previsto. Pior ainda: comidinha estava esgotada, os travelers cheques já não existiam e o graveto nacional dava apenas para umas carcaças sem grande conduto. Subsistia uma única nota gorda de Xelins austríacos, que para ser cambiada num restaurante que a aceitasse, iríamos sair a perder e bem. Serviu essa nota de caução na recepção do parque de campismo por troca de umas conservas (leite também, naturalmente) e um telefonema internacional. De Graz, na Áustria, veio a salvação dias depois, num serviço da Marconi para a estação de correios do Fundão.
O instantâneo fotográfico aqui deste post, apanhou-me carregado de compras no supermercado local, na avenida principal do Fundão, depois de uma semana inteira a pão e caroços de azeitona.
Faltava ainda a CP funcionar. Mas isso é outra estória.

tags:

publicado por LMB às 20:41 | link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
Março 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
13

15
16

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Books Invoicing

a propósito: o universo c...

limpar portugal

lx: debaixo dos pés

é a vida

pangea ultima

PECa

memória: peggy lee

iSilly

'like angels'

arquivos

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Setembro 2004

Abril 2004

tags

37/2007

500 miles

7 maravilhas

abril

agostinho da silva

água

alentejo

algarve

allsopp

amazon

american

amero

amigos

anatomia

anos 60

apollo

apollonius

apple

apple. mac

applestore

apr

arrábida

arrabida

art building

arte

artsoft

astarte

atlântida

att

auschwitz

auto

azeitão

bacalhau

bairro alto

banco

bento

berenice abbott

biblia

bic

bijagós

bizplan

boi

casa portuguesa

computing

cosmos

creiro

cromos

cupertino

dakar

design

dias da radio

do fundo do baú

erp

europa

fiat

fred astaire

gene kelly

gourmet

hansaworld

história

ido mas não esquecido

igreja

iphone

ipod

jazz

lisboa

mac

mac os x

macworld

mafra

marketing

marte

memoria

merchandising

microsoft

mirror world

modelo

motor

mundo

natal

new york

nova iorque

outono

pavarotti

porto

portugal

renovaveis

rodrigo leão

rtp

russia

service

setubal

sic

star tracking

tejo

titanic

trizle

universo

verão

vida

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds