Sexta-feira, 05.03.10

Vem isto a propósito do 'Storik' trazer para as papilas gustativas dos lisboetas as magníficas tarte flambée ou flammekueche como são conhecidas na Alsácia. Andam, de facto, perto das tradicionais (e mais internacionais) pizzas, mas não são exactamente a mesma coisa e, se bem que a diferença não estará tanto na massa, ela reside logo no ingrediente base: ausência da tomatada. O meu amigo David, um luso-suiço, com uma mão de mestre para a arte destas rodelas gigantes de massa, há muito que faz as suas pizzas -as melhores que alguma vez já comi- num conceito luso muito próximo da tarte flambée -e para quem quiser a base de 'pomodoro' desaparece- em forno de lenha e sobre rodas. Claro que lhe chama pizza, porque se lhe desse o nome de flammekueche, era capaz de ser um bocadinho mais difícil convencer a clientela que era coisa para o estômago.

tags:

publicado por LMB às 17:36 | link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 20.10.09

Mais um sítio a adicionar aos favoritos gastronómicos. Fala quem sabe, entre muitos e bons tratados culinários com sustentabilidade, ensina-se também uma coisa aparentemente simples, mas com os seus truques para resulte no sabor sem aditivos e conservantes: curtir a azeitona. É aprender aqui, no outrascomidas.

tags:

publicado por LMB às 15:58 | link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 24.09.09

Para tipos em dieta, não há melhor. Dias não são dias. Ponto.
Não conhecia este kit 'pour deux' para fazer uma moamba de galináceo, mas é simpático. Latinha de moamba, latinha de saka-saka e mix de especiarias (que é melhor nem saber o que são) em saquinho hermético. O resto do conduto a malta tem de arranjar.
Saí-me bem.

tags:

publicado por LMB às 19:48 | link do post | comentar | favorito

Domingo, 05.07.09
Daqui a pouco já experimento.

tags:

publicado por LMB às 17:16 | link do post | comentar | favorito

Sábado, 04.07.09

A imagem é de um lingote de ouro a sério. Dos duros e pesados.
Não tenho a arrecadação com nenhum deles, mas já me passaram pelas mãos. Agora, destes mestres chocolateiros Cocoa Gourmet é que nenhum passou pelas papilas gustativas e seguramente não irá passar a mil duzentos e cinquenta dólares a dúzia, mais caixinha. Tenham eles folha de ouro comestível ou embalamento em almaço.

tags:

publicado por LMB às 22:42 | link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 18.06.09

O 'swedish chef' apresenta o 'fabrico especial desta casa'. Não é assim em todos os rótulos dos singelos bolos de arroz? É.
Três pontos a considerar:
1- esta receita vem quase do jurássico (linhagem, portanto) pelo que está sobejamente testada
2- é preciso mãozinhas finas e não dedinhos de martelo
3- as criancinhas adoram e os 'cotas' também

Então é assim:

Do supermercado sonegue 6 cenouras e 250gr. de açúcar, da horta do vizinho subtraia 4 laranjas médias.
Com o produto na sacola, corra para casa.

Comece por descascar as cenouras e retirar as cascas das laranjas, note que nestas é o 'vidrado' que interessa, por isso, afie a faca como deve ser e esqueça a pele interior branca. Também não é preciso fazer cornucópias com as cascas, mas se sair assim, fica bonito embora seja para destruir.
Fui claro até aqui?
Continuando:
Agora coza as cenouras e as cascas finas da laranja.
Pronto. Se pensava que ia já passar à fase da engorda, esqueça. Isto é cozido de véspera e fica a escorrer a água da cozedura de um dia para o outro. Coloque no frigorífico por via das dúvidas.
No dia seguinte, acorde a pensar nisto.

Vá para a cozinha e tente descobrir um passe-vite no meio dos tachos e outra bagunça. Se descobriu, podemos continuar. Não invente: não é 'varinha mágica' não é picadora '1-2-3'. É produto semi-arqueológico mesmo, pode, contudo, ser dos mais modernaços, movidos a electricidade. Se não tiver, faça como eu: peça emprestado. É por uma boa causa.

Armado de passe-vite na mão, moa aquela cozedura toda do dia anterior para um tachinho daqueles de ferro ou dos outros que dizem que não pega nada ao fundo (pois...) ; junte os 250gr. de açúcar, fruto daquele desvario no supermercado do dia anterior.
Afaste todo e qualquer napalm que possa estar junto ao fogão.
Acenda um dos bicos do fogão, com aquilo que lhe é usual: isqueiro, fósforo, lança-chamas, qualquer coisa. Mas acenda.

Coloque o tacho ao lume (com o produto moído + o açucar lá dentro obviamente). Agora vamos apurar essa amálgama, mexendo com colher de pau daquelas tecnicamente desaconselhadas pela ASAE. Os antigos não tinham muita noção dos minutos e segundos para estas coisas de fogão, por isso, a experiência aconselha que dez minutos deverão ser suficientes em lume brando até ficar apurado num produto mais ou menos consistente. O olho aí é mestre.
Esperando que tenha corrido bem desse lado, deixe arrefecer.
Entretanto, vá desencantar daquelas forminhas pequenas de papel frisado.

Continuemos, então. Arranje um prato pequeno e coloque um pouco de açúcar pilé. (o pilé é só para confundir). Agora vá lavar as mãos. Com a massa já fria, faça com jeito umas bolinhas -as mãozinhas gentis são aqui importantes- envolva no tal açúcar pilé e coloque na caixinha de papel frisado. Siga alegremente e pela mesma ordem até acabar com o resto do tacho. Ponha isso num prato decente e chame a malta. Se sobrar (pois sim...) guarde no frio. Se perguntarem como se chama, educadamente diga o seu nome evidentemente.

Na eventualidade de alguma coisa estar confusa, posso voltar aqui a repetir:

Então é assim, 6 cenouras............




tags:

publicado por LMB às 00:12 | link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

mais sobre mim
Março 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
13

15
16

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

flammekueche

curtição: azeitona

Dietético: moamba kit

Le Chef

Gourmet de topo

Hoje há pastelaria fina

arquivos

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Setembro 2004

Abril 2004

tags

37/2007

500 miles

7 maravilhas

abril

agostinho da silva

água

alentejo

algarve

allsopp

amazon

american

amero

amigos

anatomia

anos 60

apollo

apollonius

apple

apple. mac

applestore

apr

arrábida

arrabida

art building

arte

artsoft

astarte

atlântida

att

auschwitz

auto

azeitão

bacalhau

bairro alto

banco

bento

berenice abbott

biblia

bic

bijagós

bizplan

boi

casa portuguesa

computing

cosmos

creiro

cromos

cupertino

dakar

design

dias da radio

do fundo do baú

erp

europa

fiat

fred astaire

gene kelly

gourmet

hansaworld

história

ido mas não esquecido

igreja

iphone

ipod

jazz

lisboa

mac

mac os x

macworld

mafra

marketing

marte

memoria

merchandising

microsoft

mirror world

modelo

motor

mundo

natal

new york

nova iorque

outono

pavarotti

porto

portugal

renovaveis

rodrigo leão

rtp

russia

service

setubal

sic

star tracking

tejo

titanic

trizle

universo

verão

vida

todas as tags

gestão para Mac
Image and video hosting by TinyPic
blogs SAPO
subscrever feeds