Terça-feira, 08.01.08

'You know a design is good when you want to lick it', disse Steve Jobs.

Para lá da mestria de um bom desenho e da forma apelativa que possa evidenciar, o objecto, tem de proporcionar mais do que salivar por ele; tem de ter impacto social de igual modo.
Não deve haver ninguém neste planeta que não tenha, pelo menos, pegado numa esferográfica, essa invenção de trazer no bolso que começou por ser um objecto significativamente maior e para marcar couro, nos idos de 1888, inventada por John Loud, um americano que fazia dos curtumes o seu negócio. Nunca foi intenção dele ter aquela enorme esfera de metal presa a um pau, para a escrita diária. O objectivo foi outro, mas o conceito estava lançado.

Lançado até, décadas mais tarde, o jornalista húngaro Laszlo Josef Biro ter reparado que podia haver uma oportunidade de negócio por via da secagem rápida de tinta. Junto com o seu irmão Georg, químico por profissão, desenvolveram o prótotipo de caneta com esfera metálica que recolhia tinta de um pequeno depósito sem necessidade de voltar a encher.
Azar na altura, porque a Hungria estava nos planos de ocupação alemã na primavera de '44.
Biro e Georg escolhem a Argentina como asilo e conseguem patentear a sua invenção ainda em 1943.
A R.A.F. britânica escolheu essa caneta para os seus pilotos, já que funcionava muito bem a alta altitude.
O sucesso foi tanto que a Eversharp Co aliou-se à Eberhard/Faber (esses mesmo, os dos lápis) para adquirirem os direitos exclusivos da revolucionária caneta com uma mega campanha publicitária e nome novo para o produto: Eversharp CA
Azar de novo. A patente falhou no maior mercado na altura: os EUA.

Como há sempre um mais esperto, Milton Reynolds, empresário norte-americano, de visita a Buenos Aires, repara na caneta à venda numa loja argentina. Resolve então tirar partido da não aceitação da patente anteriormente apresentada nos EUA e desenvolve o seu próprio prótotipo colocando-a à venda no Gumbel's em Nova Iorque, antes que a Eversharp tivesse ainda percebido onde teria falhado no processo. À venda por pouco mais de doze dólares (um valor substancialmente mais elevado no 'dinheiro de hoje') obviamente, o 'american dream' fez mais um totalista.
Foi sol de pouca dura, já que em 1948, cinquenta cêntimos chegavam para a adquirir.

Chega o novel plástico. E com ele, chega também Marcel Bich. Marcel desenvolve um conceito de caneta super fina e ultra leve. Feita de plástico, tungsténio e prata niquelada, com esfera para escrita fina e/ou grossa, lança no mercado aquela que vai durar muito, mas muito tempo: a BIC.
14 milhões destas canetas são vendidas todos os dias no globo e para além disso, é aquela que conquistou o direito a figurar no MoMA de Nova Iorque.

E o Steve? Bom, o Steve, disse 'I screwed up' referindo-se ao Cube. Mas se a aceitação comercial deste não foi o esperado, o certo é que -lá está- é uma peça de design única. Este e mais cinco produtos de Cupertino também figuram na exposição permanente do museu.


publicado por LMB às 14:08 | link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
Março 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
13

15
16

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Esférica

arquivos

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Setembro 2004

Abril 2004

tags

37/2007

500 miles

7 maravilhas

abril

agostinho da silva

água

alentejo

algarve

allsopp

amazon

american

amero

amigos

anatomia

anos 60

apollo

apollonius

apple

apple. mac

applestore

apr

arrábida

arrabida

art building

arte

artsoft

astarte

atlântida

att

auschwitz

auto

azeitão

bacalhau

bairro alto

banco

bento

berenice abbott

biblia

bic

bijagós

bizplan

boi

casa portuguesa

computing

cosmos

creiro

cromos

cupertino

dakar

design

dias da radio

do fundo do baú

erp

europa

fiat

fred astaire

gene kelly

gourmet

hansaworld

história

ido mas não esquecido

igreja

iphone

ipod

jazz

lisboa

mac

mac os x

macworld

mafra

marketing

marte

memoria

merchandising

microsoft

mirror world

modelo

motor

mundo

natal

new york

nova iorque

outono

pavarotti

porto

portugal

renovaveis

rodrigo leão

rtp

russia

service

setubal

sic

star tracking

tejo

titanic

trizle

universo

verão

vida

todas as tags

gestão para Mac
Image and video hosting by TinyPic
blogs SAPO
subscrever feeds