Sexta-feira, 29 de Fevereiro de 2008

Não são uma raridade, mas também não são dos que mais abundam. Refiro-me a filmes/documentários a cores, relativos ao período da segunda grande guerra. Este aqui em cima, vale pelo 'technicolor', pelos 'guest stars' mais ou menos conhecidos e de difícil esquecimento, pela Berlim colorida antes da saravaida e também pelo carnavalesco desfile.


publicado por LMB às 00:37 | link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 28 de Fevereiro de 2008

Diz esta notícia aqui, que os CTT vão processar a DECO/Proteste pelo estudo apresentado por estes, uma vez que se apresenta com 'intuitos difamatórios'. Ao que parece, o estudo aponta deficiências várias ao nível de atendimento do público: morosidade, informação, serviços prestados, horário inconveniente, etc. Uma amostragem, segundo a DECO, correspondente a 1/3 das estações dos CTT no território nacional.

Uma coisa é certa: desde que os Correios, Telégrafos e Telefones passaram a abarcar um sem-número de competências marginais, parece-me a mim, que já sofri na pele a ausência de qualidade de serviço, que o 'core business' ficou realmente afastado. Não é uma, nem duas, nem três vezes que, como mero exemplo, uma carta registada é rapidamente substituída pelo aviso rosa, no receptáculo -quando não entulhada, mas já lá vamos- sem sequer o Carteiro ter experimentado tocar à campaínha. Dará menos trabalho, julgo eu.
Por outro lado, é irritante a quantidade de publicidade agregada em 'mail bus' que chega todos os dias (pronto, talvez 6, em 7 dias) às caixas de correio, tenham elas ou não o dístico de 'publicidade: aqui não'.
Irritante também é ver que este tipo de serviço -em sub contrato ou em qualquer outra modalidade- enverga o colete CTT.
As imagens lá em cima não deixam margens para dúvidas, pois não?

Por isso, talvez fosse conveniente averiguar se o tal estudo da DECO não terá, porventura, alguma pontinha de razão, verificar onde estão as falhas, se existirem, corrigir procedimentos se os houver a corrigir, e então depois, encher o peito de ar. Até lá...


publicado por LMB às 15:36 | link do post | comentar | favorito

é avisar a malta. Venham mais cinco.

A bucha é dura, mais dura é a razão
Que a sustem
Só nesta rusga

Não há lugar prós filhos da mãe



Outros, vistos aqui no montedenotas.


publicado por LMB às 00:43 | link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quarta-feira, 27 de Fevereiro de 2008


Dude,
Trizle emite a 'newsletter' que mais gosto de ler: Trizoko™. Diariamente, sem falhas, desde que se lançaram há coisa de 3 anos, tem a inspiradora forma de comunicar coisas sérias de modo divertido, às vezes, ao melhor estilo do 'levanta-te e ri'.
helping your business rock the world. no @#$%^&* theory included. smile!
Esta, nem de propósito, é de hoje:

How to Build Your Enterprise System
You have two choices:

Option A: Build a state-of-the-art, custom-built enterprise system that integrates the works (e.g. CRM, ERP, EAM, SCM, wiki, etc.).

Option B: Get something up quickly. Combine many smaller pieces of independent applications, and have them communicate with each other (e.g. through their APIs, etc.).

Mr. Techno-Wizzo tells you:

Option A:

takes frickin’ long to build (years, if ever)
has a humongous chance for failure
its modules becomes obsolete quickly
you drain revenues fast while it’s under development
painful to tweak things as your business changes
if you ever finish, you’ll probably outgrow many of its features

Option B:

quick, and flexible — can get something up freakishly soon
causes slight dents to your cashflow, as you get an application module up quickly to use
allows you to use best-of-class for every included application
interchangeable (e.g. a state-of-the-art applications can be integrated into the system easily and continuously)

Option B = winner! Yay! Yay! Yay!

Use Whatever You Can — Quickly

Microsoft Excel?

You: “Oh no! I hate Microsoft! They-so-greedy! Bill Gates? More like BILLS Gates!”
Mr. Techno-Wizzo: “Look pimplebutt: No one cares. Use the sucker if it helps you get from Point A to Point B.”
Mr. Techno-Wizzo: “If you outgrow it, then build an application to compensate for Excel’s shortcomings.”
You don’t need fancy technology to stay on top of your game.

Use what you can — now.

A startup that uses Excel to thrive with its customers will kick the ass of any aspirational startup that’s building an entire state-of-the-art application to bring in business.

While the latter is draining resources and time, the former is focusing on a plethora of other things to fatten its bottom line.

Remember:

Technology becomes obsolete quickly.
You’ll likely outgrow your technology in a few months.
Taking too long to build something you needed months before = waste. BOO!
So, get something up quickly — then revise, reconfigure, and deploy your application as necessary — as you’re moving toward your destination.

Rule of thumb to tech-fabulous: “Hey! I don’t even notice we’re using state-of-the-art technology! WOW! KORUMBA!”

Deploy quickly.

Créditos: Trizle

tags:

publicado por LMB às 23:18 | link do post | comentar | favorito


  • Paris Hilton shouldn’t teach.
  • Charles Barkley shouldn’t act.
  • Tom Cruise shouldn’t sing.

You shouldn’t: ________________.

Tudo -ou quase- o que qualquer leitaria, ideal das avenidas ou não, gostaria de saber mas tinha vergonha de perguntar.

Scenario: “Dude, let’s read more business books, learn crazy new innovative practices, so we can be more creative and make billions. Then we’ll buy Porsches. Yay!”

It’s the rage these days: New “exciting, innovative, spectacular” business ideas.

The “cutting-edge” manager’s typical conversation:

  1. Bob: Kristin, I just learned about something called, “Positioning”.
  2. Bob (again): We have to position our products in a way that captures customer’s hearts into believing our product’s position! Yay!
  3. Kristin: Okay.
  4. Bob: Implement it!
  5. Kristin: How?
  6. Bob: Read the book. You’ll figure it out.

And what typically results?

Nothing.

Not only that, but while “cutting-edge” managers and leaders go looking for a quick-fix to their problems:

  • Customer questions go unanswered.
  • Employee problems go unfixed.
  • Salespeople run out of leads.
  • Senior managers become unfocused.
  • Etc. Etc. Etc.

New ideas. Fresh practices. Innovative buzzwords. Uh-oh.

Says the late-great Harvard marketing guru, Theodore Levitt:

Those who extol the liberating virtues of corporate creativity over the somnambulistic vices of corporate conformity may actually be giving advice that in the end will reduce the creative animation of business.

This is because they tend to confuse the getting of ideas with their implementation—that is, confuse creativity in the abstract with practical innovation; not understand the operating executive’s day-to-day problems; and underestimate the intricate complexity of business organizations.

The minute you’re latching on to a “fabulous new business idea,” watch out: that idea will distract you from what you really need to do:

continue a ler, mas agora, a partir daqui

Créditos: Trizle




tags:

publicado por LMB às 20:45 | link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 26 de Fevereiro de 2008

Volta e meia encontro aquele vinil com buraco ao meio que já não via, nem ouvia, faz muitas luas. É este o caso do duplo 'Dream Letter- Live in London 1968' de Tim Buckley.
Buckley não deixou obra extensa no que a matéria discográfica de originais diz respeito; chegam os dedos das duas mãos e ainda sobra um. Mas o que deixou, é bom.
'Once I was' é, como muitas outras escritas na viragem dos anos 60, uma balada sobre todos aqueles que são obrigados a morrer numa qualquer guerra estúpida. Nessa altura, a mesma de sempre. Seja em '68 ou 2008, a verdade é que o tema, pelas piores razões, não perdeu actualidade.


Once I was a soldier
And I fought on foreign sands for you
Once I was a hunter
And I brought home fresh meat for you
Once I was a lover
And I searched behind your eyes for you
And soon therell be another
To tell you I was just a lie

And sometimes I wonder
Just for a while
Will you remember me

And though you have forgotten
All of our rubbish dreams
I find myself searching
Through the ashes of our ruins
For the days when we smiled
And the hours that ran wild
With the magic of our eyes
And the silence of our words

And sometimes I wonder
Just for a while
Will you remember me


publicado por LMB às 23:09 | link do post | comentar | favorito

Antes (1974)


e depois (2006) com os 2 únicos sobreviventes



publicado por LMB às 22:40 | link do post | comentar | favorito


Para além da óbvia utilidade (na altura, os fabricantes de malinhas e congéneres ainda não andavam tão despertos como agora) é uma peça bonita, super resistente e de grande qualidade. Foram criadas, objectivamente, para o público feminino e acompanharam -as malas- toda a evolução cromática dos iBook 'clamshell' de então.
A par de tantas outras peças originais de merchandising, criadas em Portugal até 2004, também esta circulou pela Europa.
E sim, era oferecida.

tags:

publicado por LMB às 13:59 | link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito


É um mercado violento. Digo eu.
Mas a avaliar pelos quatrocentos mil iPhone desbloqueados e em pleno funcionamento utilizando a China Mobile, diria mesmo, violentíssimo. Mais a mais se alguém em Cupertino começar a fazer contas de cabeça.
No fundo, e a estarem certos os números estimados, significa que existirão mais iPhone 'ilegais' só na China do que em toda a Europa. 'Legalizados', claro.

tags:

publicado por LMB às 13:37 | link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 25 de Fevereiro de 2008

Uma 'rotunda do relógio' com efectivo relógio relvado e o caótico trânsito de uma única viatura. Uma avenida limpinha desde aí até ao Areeiro. O avião mesmo ali à mão de semear, com check-in de couratos e tremoços na esplanada. O 'soberbo queijo D.O.C'. da futura 2ª Circular, com as suas ovelhinhas pastando a menos de 80Km/h., quase à sombra dos Super Constellation.
Mais bucólico que isto, para um aeroporto, devia ser difícil.

tags:

publicado por LMB às 22:35 | link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 20 de Fevereiro de 2008


Antes de se perceber de XML, CSS, CMS, HTML, C++, PYTHON, CURL, JAVA e ainda antes de enviar txt k n se percebe e c u 2mor , seria conveniente, a rapaziada novinha -porque é dela que aqui se trata- aprender a realidade gramatical da língua portuguesa, mais a mais quando há, na actividade profissional, relacionamento com clientes.


publicado por LMB às 22:35 | link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 19 de Fevereiro de 2008


Por falar neles -Microsoft- no post anterior a proposito de uma ideia de comunicação engraçada para um produto recente, não resisto a colocar esta paródia mais antiga.


publicado por LMB às 22:49 | link do post | comentar | favorito


Por vezes, de onde menos se espera, é que sai surpresa. É o caso da promoção ao Office 2008 para Mac, feita pela própria Microsoft e com um site dedicado.


publicado por LMB às 22:10 | link do post | comentar | favorito

Sábado, 16 de Fevereiro de 2008

Pouco a pouco, a Apple, vai 'limpando' os seus próprios vestígios de um ilustre passado. Muito bem: é só uma tecla. Mas era a tecla que todos nós conhecíamos e dizíamos: 'carrega aí na tecla da maçã + shift e...' qualquer coisa. Agora, nos novos teclados, é simplesmente 'command' em descritivo corrido junto com o ícone gráfico criado por Susan Kare.
Fica mais próximo do tradicional teclado PC e com isto, supostamente, não se baralhará tanto o potencial 'switcher'. Digo eu, que gosto de dizer estas coisas.
Espera-se que estes novos teclados -e outros que já estão na calha- acompanhem a disponibilidade dos equipamentos, porque certamente aquela clássica situação de escassez ou de um, ou de outro ou de ambos, provavelmente não existirá mais, o que de certa forma também deverá deixar de influenciar a compra por impulso e não por reflexão. Quando um produto escasseia, como sistematicamente a Apple fez o favor de brindar Portugal durante anos, o consumidor tem por tendência, atribuir maior importância aos seus produtos. A ver vamos.

tags:

publicado por LMB às 23:25 | link do post | comentar | favorito


Provavelmente a última grande brochura de ampla divulgação da América, i.e., EUA, terá sido em 1492.
Na realidade, os EUA, nunca terão sentido uma necessidade por aí além de promoverem turisticamente o país, fora de portas. Mal ou bem, a nação é sobejamente conhecida, por isso, o aliciar de turistas, poderia ser considerado como um centro de custo do marketing estatal, sem grande justificação. Mas mesmo para um país gigantesco, mais de meia dúzia de anos com apertados controlos de entrada e outras questões, após a derrocadas das torres, reflecte-se nas contas e, perder receita considerável ano após ano, certamente terá pesado na criação de um super-website a ser lançado no próximo mês: Discover America.
É a América de volta ao turismo. Pela parte que me toca, e porque é um país onde sempre me senti realmente bem, o 'welcome' do filme publicitário, é recíproco.

Créditos: imagem discoveramerica.com

tags:

publicado por LMB às 22:51 | link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
Março 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
13

15
16

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Books Invoicing

a propósito: o universo c...

limpar portugal

lx: debaixo dos pés

é a vida

pangea ultima

PECa

memória: peggy lee

iSilly

'like angels'

arquivos

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Agosto 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Abril 2005

Setembro 2004

Abril 2004

tags

37/2007

500 miles

7 maravilhas

abril

agostinho da silva

água

alentejo

algarve

allsopp

amazon

american

amero

amigos

anatomia

anos 60

apollo

apollonius

apple

apple. mac

applestore

apr

arrábida

arrabida

art building

arte

artsoft

astarte

atlântida

att

auschwitz

auto

azeitão

bacalhau

bairro alto

banco

bento

berenice abbott

biblia

bic

bijagós

bizplan

boi

casa portuguesa

computing

cosmos

creiro

cromos

cupertino

dakar

design

dias da radio

do fundo do baú

erp

europa

fiat

fred astaire

gene kelly

gourmet

hansaworld

história

ido mas não esquecido

igreja

iphone

ipod

jazz

lisboa

mac

mac os x

macworld

mafra

marketing

marte

memoria

merchandising

microsoft

mirror world

modelo

motor

mundo

natal

new york

nova iorque

outono

pavarotti

porto

portugal

renovaveis

rodrigo leão

rtp

russia

service

setubal

sic

star tracking

tejo

titanic

trizle

universo

verão

vida

todas as tags

gestão para Mac
Image and video hosting by TinyPic
blogs SAPO
subscrever feeds